Nós estamos tão ocupados, meu deus, que nem vemos como as luzes do céu misturam-se. São cinco cores, notei hoje: azul escuro, azul claro, laranja avermelhado, laranja e amarelo. Mas nós nem vemos que o céu às vezes gostaria de ser notado, assim como as estrelas que caem e nem sentimos. “uma estrela pinga no meu peito” eu li algum dia desses. Estamos tão imunes à beleza da vida que ser louco, viver uma vida louca e ter a melhor bolsa de marca tornou-se prioridade. Pergunto-me aonde vamos parar quando o uniforme das pessoas que convivem comigo é lacrado pela marca hollister, ou quando a poesia fica escassa àqueles que veem o minúsculo do minúsculo ou até mesmo quando o corpo é usado como objeto e admirado como tal - porra, museus existem, eu penso. As ciganas, acreditem, sabem mais do que os escritores. As prostituas refletem a razão segundo sartre enquanto clientes, como nós, beiramos a ignorância e beijamos o fim, com a morte na saliva. Estamos tão podres e amassados pelo sistema que nossos olhos desacostumaram-se a enxergar a luz do meio-dia, as flores que morrem murchas e sozinhas, o frio que congelou mais alguém em algum lugar do planeta. Eu acho que perdi o rumo do caminho quando eu vejo que meus colegas preferem gritar enquanto eu gosto de silêncio; quando todos querem ficar e eu desejo ir embora; quando todos falam de amor e eu não quero tê-lo comigo… em mim.
Sensibilidade aqui, ainda existe?

Floresinexatas.  (via assim-te-espero)
Não estou dizendo isso porque no fundo te quero ralando joelho pelas ruas atrás de mim. Não dessa vez. Não vem com bombons, não vem com desculpas, não vem com canções. Não vem. Se você tiver a fim de compreender o presente, precisa analisar o passado. Todo ele, dia a dia, cada palavra, seu borderô de atitudes passadas. Dá uma olhada em tudo que você fez e me diz. Viu? A novidade é que o dia que eu sempre prometi que viria, e que você nunca esperou chegar de verdade, veio. Eu cansei. Não sou mais eu.

Gabito Nunes. (via acrescentada)
Chega de lamúrias, menina! Vá ser feliz de vez, vá em frente, enfrente. Não viva entre parênteses. Sabe essa cicatriz? Essa aí no teu coração? Então, é ela que te faz humana. Nossas cicatrizes mostram as guerras que vivemos. Tente viver de verdade. Minh’alma dói quando vejo que está vivendo e ao mesmo tempo morrendo. Essa vida que estás a levar me maltrata, quem é que te disse que para ser feliz tem que se magoar? Perdeu-se em si mesma, quem é que se perde desta forma?! Cadê tuas ideologias? As razões de ainda estar aqui? Anda menina, ainda há tempo para a alegria.

Eu me chamo Anônimo.    (via autorias)
Quando te conheci, tinha medo que você acabasse se tornando mais uma dessas páginas viradas da minha vida que apenas ficam para trás. No fim, você acabou se tornando o meu livro predileto, aquele que você quer ler e reler umas dez mil vezes.

Allax Garcia.  (via ergueu)