Percebo que expectativas fazem a gente se frustrar. Eu queria não esperar nada, não planejar coisa alguma, não nutrir aquele sentimento de espera. Quem tem expectativa espera algo de alguém. E, frequentemente, a gente se decepciona e tem que enfiar a mágoa no lixo da cozinha, amarrar bem e colocar na frente de casa, para o lixeiro levar embora. Mas nem sempre o cheiro a lixo sai de dentro da gente. Fica estragado, feito coisa vencida. Expectativa é isso: alguma coisa que venceu por não ter sido usada. E a gente nada mais tem a fazer, a não ser acender um incenso, comprar um aromatizador de ambiente ou Bom Ar, para tentar amenizar aquele odor que dá náusea.

Clarissa Corrêa (via palavrisses)
Essa noite sonhei com a dor, já era insuportável tê-la comigo durante o dia, eu tentava fugir dela de todas as maneiras, e agora durante a noite, dormindo com a esperança de um novo dia melhor, ela me aparece. A dor estava muto bem vestida, trouxe a mim a impressão de uma criatura elegante e determinada. Seus passos eram silenciosos, só a percebi quando rompeu a escuridão do ambiente onde estava e generosamente sorriu para mim. Sem nada pronunciar ela me abraçou, senti meu corpo arrepiar, seu abraço me tomava o ser inteiro, não me aquecia, pelo contrário, o frio era tão grande que chegava a doer meus ossos; ela aproximou a boca de meu ouvido e sussurrou: ” eu sou teu mestre e tudo que te faço sentir é para que aprenda, nada é em vão, quanto mais te machuco, mais tu aprende”. Eram palavras confortantes, mas como acreditar? A dor tira nosso raciocínio, nossa paz, nossa calma. Como eu posso acreditar que todo esse massacre interno é para um bem maior? Será que todo esse sonho foi apenas algo que minha mente criou pra aliviar toda essa sensação de que a dor é desnecessária e eterna? Não, eu não consigo encontrar solução acordado, não faria isso dormindo. Não sei no que devo acreditar, mas uma coisa eu aprendi nessa noite: não se pode fugir de uma dor.

Destroços de uma vida acabada, Otávio L. Azevedo   (via expressao)
Todos deveriam ter um lugar favorito no universo, um lugar que dê a sensação de que você vai escapar do que for, de seja lá o que você está sentindo. Aquele lugar onde as pessoas de quem você gosta vão te procurar quando você provavelmente sumiu por não aguentar a barra, como acontece no cinema, quando os personagens estão perdidos, prostrados ou loucos de amor.

Gabito Nunes. (via materializei)
Acho que te devo um pedido de desculpas. É que nem eu mesmo gosto muito de mim, e fico meio assustado quando alguém me diz que consegue isso. É que você parecia minha amiga, só minha amiga. Você fala como uma amiga. Me cumprimenta como amiga. Me telefona e me convida para cinemas como uma amiga. Seu riso é de amiga. O seu abraço é de amiga. Nada além de amiga, entende? Amiga? Sei que andei falando coisas sem pensar. Me esforcei pra deixar quieto, ficar de boca calada, não fazer merda. Quase deu certo. Você sabe, sou meio blá. Olha, sei que andei falhando todas essas vezes, nos últimos meses. Em minha defesa, não era bem eu. Só estava tentando ser uma outra coisa, sei lá, algo que pudesse merecer você. Como eu poderia adivinhar que alguém como você gostaria de mim, assim desse jeito atrapalhado que eu sou? Um dia, eu sei, você vai entender os meus motivos. E talvez eu os entenda também. Você estava meio etílica, mas sei que foi honesta, pelo menos na hora em que disse aqueles troços. Não sei o nome disso que estamos sentindo um pelo outro e também não me importa. Pode ser o ápice ou o precipício, e tudo bem. E também não sei se teremos habilidade para cultivar isso por três semanas ou por três décadas inteiras. Só sei que agora estou interessado em saber como será o próximo passo.

Gabito Nunes. (via revejo)